É muito comum no meio cristão achar que antes de sua conversão o apóstolo Paulo chamava-se Saulo e que depois Deus mudou o seu nome, inclusive até um respeitado hino evangélico conta com esse refrão. Contudo, por mais que possamos entender a máxima de que a voz do povo é a voz de Deus, e que se todos falam a mesma coisa é porque realmente essa é a verdade, devemos nesse caso pelo menos refletir com mais cuidado se realmente Saulo transformou-se em um Paulo.

Saulo nasceu em Tarso da Cilicia, ele era filho de uma família judaica, da tribo de Benjamim, fariseu, era aluno assíduo na sinagoga de Jerusalém, sendo o mais destacado entre todos os aprendizes que haviam nas 48 sinagogas da época, tendo Gamaliel, como seu professor, portanto crescia como um homem sábio e destacado, fariseu dos fariseus, era membro do Sinédrio, uma espécie de Assembleia constituinte da época.

Sendo que quando Estevão morreu apedrejado, ele segurou a capa, ou seja, demonstrava a sua liderança, pois quando alguém segurava a capa, era um líder. Dentro desse contexto é que surge a dúvida se realmente Saulo virou Paulo, já que ao se converter no caminho de Damasco, Saulo tornara-se verdadeiramente um novo homem, contudo ele passa agora a não se relacionar tanto com a comunidade judaica, mais vai paulatinamente se relacionando mais com os gentios, a partir do seu chamado em Atos capítulo 13.

Portanto, analisando exegeticamente, a verdade é que em nenhum lugar das Escrituras encontramos menção de Paulo ter mudado de nome, no entanto, o que a Bíblia afirma é o seguinte: “Todavia, Saulo, também chamado Paulo…” (At 13.9). Até este versículo, o apóstolo é chamado de Saulo; a partir de então passa a ser chamado de Paulo.

Se repararmos cuidadosamente o versículo em pauta, veremos que Lucas, o autor da narrativa diz que Saulo TAMBÉM era chamado Paulo. Ou seja, não houve uma troca de nomes, o que de fato a Bíblia afirma claramente, era que ele tinha DOIS NOMES DIFERENTES, fato considerado comum para um judeu que também tinha cidadania romana, como era o caso de Paulo (At 16.37,38 e 22.25,26).

Enfim, Saulo era o seu nome hebraico; enquanto a Bíblia retrata a relação do apóstolo com os judeus, este nome aparece – mesmo depois da conversão (O nome não mudou por causa da conversão). Porém, quando enviado em sua viagem missionária para desenvolver a sua missão entre os gentios, Lucas relata que Saulo TAMBÉM era chamado Paulo, seu nome romano, ou seja, de relacionamento com os gentios.

Para finalizar o tema, concluímos que Saulo não virou Paulo, mais que ambos os nomes eram empregados em situações e contextos diferentes. Portanto, não basta ler a Bíblia, mas, é necessário estudar a palavra de modo sistemático e didático, sendo que, algumas passagens necessitam de uma interpretação mais cuidadosa, já que, envolvem aspectos históricos e culturais.

 Referências 

CARDOSO, Marcelo A.L. Encontros de poder.  A. D. Santos. Curitiba – Paraná.

MARTINS, Orlando. Guia dos curiosos da Bíblia. Estudo pessoal. Florianópolis, 2017.